Loop

Ahn, é viu. Ahn, ném. Ele não diz que ela só faz falta e que este ciclo está associado como amiga. Mas é um saco. Nada funciona, nada resolve, dentro dessa vontade que insiste em ir contra à lógica. Um porre. E sabe que é amor, quando olha e enternece, é assim que a gente sabe que tá amando. É o nível crítico de ternura. É como desdar um abraço quentinho. Poxa. Dói tudo, respirar, comer, andar, pensar. A gente fica doente, né? É tamanho desassossego, que exaustivo. Ahn, mas é aquilo, é aquilo outro, tal vício, e sempre abaixa a cabeça e sai ensimesmada, uma tranqueira. Queria as coisas às claras, queria isso. Uma luta pra ficar racional, pra seguir com sua vida, pra encontrar alegrias em coisas que não sejam lembranças. Aí fica essa luta pra recuperar um teco da autoestima (completamente destroçada, irreconhecível), e se pega sempre com palavras… olha, você está bem? Você nunca fala sobre isso, mas sempre fala sobre isso. Existiram queixas, inclusive, sobre a maneira como tudo aconteceu. Íh, cansou de procurar os porquês, por quês, pra quês. Com o tempo a falta respostas ia deixando as coisas piores, aí chegou que nem quer saber mais também. Ahn! Saco. Ficar assim só gera um mergulho num escuro que putaquepariu. Olhou pra garrafa com as flores da semana passada, e não resolveu-se. Saco.

 

 

1

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s