Propósito na vida

De acordo com a família, ele foi visto pela última vez em Três Passos. Mas não estava lá e não havia chegado nos dias anteriores. As primeiras lembranças que tinha da infância eram de tentar acordá-lo sem conseguir, ele também não cooperava. Não era um jogo, mas era como se fosse. Agiam como se estivessem blefando, escondendo as cartas e os amores. Tentavam ser impassíveis. Supostamente não havia como reagir pois não era possível reconhecer uma pessoa que estaria  em vias de combate, arisca. Acabaram por se fechar as portas e reconhecerem o estado frágil  do excesso que desejamos. Lembrava dos chinelos com pregos, frases intuitivas, recompensadoras e sensíveis.

Se esquecera dos seus próprios limites, levantou e saiu. Desistiu da procura. Sem as múltiplas invenções da tecnologia, sem ser notado, de mãos dadas com os pensamentos. Pensava no domínio sobre os versos, coisas e pessoas. Mas havia limites, era o ano da realização pessoal então. Domingo atrapalhado esse.

Sentiu-se mais eufórico, a desistência alivia a tensão, os ombros caem, o sorriso acontece. Era tudo sobre gaiolas – as que a gente vive porque nasceu, porque escolheu.

Porque nem sabe. Pensa em pintar de branco sua sala e pendurar coisas no teto.

009-christina-malman-theredlist

Christina Malman, Woman Trying on a Fur Coat, 1939

 

Anúncios

Cheiro de limpo

Teria sido melhor se não tivesse perguntado nada, a resposta foi mais um ‘ela deve ser meio burrinha’. Perambula pelos pensamentos e resolve-se, mais uma vez, pela assertividade. Sabe que alguns desconfortos são bem rápidos o que lhe possibilita o cair em si. Consentir pelo consentir. Pensa no profundo, pensa no mar, enquanto ouve relatos minuciosos dos intestinos alheios, ou… entender por completo não é simples. Era assim mesmo: cristalizador, limitador, restritor, contentor e dificultador. Todos os dias as pessoas ao seu redor fazem coisas boas e buscam evitar coisas ruins. Expor fraquezas e vulnerabilidades exigem uma concentração fundamental para que se evite a retenção de forças, o que funciona sem adornos. É assim, dizia a prima dela, imagina sem querer. Ela já achava que as pessoas só mudam se for vantagem, alguma, algum respiro, alguma alegria, alguma melhora, ao contrário a permanência sempre prevalecerá. Uma confusão na expressão de afeto. Esperando uma narrativa linear à noite desapareceu a canção e, despertares em uma caminhada ininterrupta, oferecem uma variedade sonora inigualável. Cada um vai desenvolvendo sua forma de viver. Outro shot. Alguém lhe sorri (é só sorrir de volta, lembra).

shutterstock_125813318

A incerteza é o lugar onde as coisas acontecem

A coisa surpreendente é que, apesar de tudo… o espírito nosso de cada dia ainda consegue sobreviver para ficar forte. Que apesar de tudo, sentir ainda é melhor que anestesiar. Às vezes, penso que acabo por me dividir pequenas partes e lançando-as às pessoas que conheço, sinto-me menos só. O que mais gosto e admiro em você é essa delicada mistura de algo requintado, perfeito, pensado, cuidado com a alegria de uma gargalhada das bobeiras da vida. Eu entendo que às vezes a forma como eu não falo são meio estranhas mesmo. E acabou que um dia não te reconheci mais. Talvez também tenha sido desconhecida naquele dia. Alguns lugares de alma minha que eu gostaria de dividir nunca são divididos, talvez nunca serão. Tome os chazinhos todos, sim? As fotografias eram feitas assim, veja bem, com a calma e a imprevisibilidade da espera, com surpresa. Tirava muitas naquele tempo, naqueles dias. E algumas tinham queimado, porque o rebobinador da câmera estava meio enguiçado. É que não aprendemos as pessoas o suficiente, não alcançamos os motivos das pessoas o suficiente, mas é fato que sempre irão embora, é o normal, vida dura essa. Mas que é difícil acostumar com o normal é. E quando penso que tudo se acalmou por aqui, vem mais tempestades (a vida é dura mesmo, repete). O simples fato de doar e irradiar afeto lhe será suficiente para a cura, para perceber que é a alegria que brota quando percebemos tudo o que somos. Coisas pequenas ficam intransponíveis, é o processo da vida. Aguenta, é isso aí mesmo o viver (como disse aquele moço da televisão). Está tudo bem por aí? Não, não está. Provavelmente, não seja percebido o tanto que os espaços foram abertos e conquistados, ou o tanto que tudo estava ali arrumado para você.

O silêncio é não-mágoa agora. Talvez nunca mais, talvez nunca mais me abra o tanto que me abri. Porque a vida é dura e somos solidão e silêncio e isolamento e apenas querência. Queria me atrever a perturbar seu universo, mas não mais. Não mais. Porque não se incomoda universos paralelos, porque não se incomoda. Porque os buracos quânticos não voltam no tempo, porque, no fundo, não havia vontade de passar pelas durezas da vida. Pelo menos não aqui.

Queria tanto um abraço seu agora. Queria tanto poesia. O que não se tem é um alguém para confessar alguns furacões.

04:28 você: Cê é igual eu, amor.
  ❤
11:38 eu: Acho que sim.
  ❤
11346605634_236acfb6d1_b

Uma forma de auto-sedução

E esse sorriso encantador, menina! Seguiu pela avenida em direção a nem lembrava mais onde, entramos em um automático, não é? Nesse tormento pelo que poderia ser, pelo futuro. Não tem nada a ver com o que você está esperando. Rádio, notícias, mais aflição. Um dia se afoga todo mundo. Centenas de anos depois e o quando e o quanto ainda permanecem fora do nosso alcance. Não sobre a leitura, escrita, mapas, política e aritmética… mas sobre a emoção, ou o que chamam de afeto, as relações cotidianas, amizades vigilantes… Uma história absorvente de pesquisa do amor, ao mesmo tempo que revela o quão longe vivemos da compreensão real, desloca-o para o sono profundo inicial.

Um pouco despertos os que não estão totalmente recuperados de mais uma dura noite são incapazes de explicar o que estão enfrentando. Essa era a forma que se reagia quando as coisas saíam do controle – amar quem quer que esteja por perto para ser amado. Os sonhos não são sem sentido, com uma costumeira defasagem que dá continuidade a nossa conduta e a nós um sentido coerente de quem somos. Direita, terceira à esquerda, procurar uma vaga –  já que a costumeira fora ocupada – já até a chamava de sua. Respira fundo como se isso fosse um prenúncio de um longo e doloroso dia… O sono é um tempo ocupado. O que é o amor senão a aceitação profunda do outro, o que ele é?

Desliga o motor, freio de mão, ponto morto. Ponto morto, ri dos seus próprios pensamentos.

023-vivian-maier-theredlist

Vivian Maier

 

 

 

Há um agora-ou-nunca estado de espírito

Uma experiência específica. Provavelmente foi só isso, sem nenhuma maldade. Desta vez, eu gostaria de economizar tempo, a saúde, a fertilidade, a certeza de que um dia você vai ler Ulisses e saber cozinhar panquecas. Ainda temos tempo para um segundo ato, é que só agora estão sendo surpreendidas com os fenômenos estelares – ciclo ascendente. Mas bem que seria melhor não se mexer neles. De dentro do carro percebe que os motivos das outras pessoas são finalmente revelados. Todo mundo está absorto, alguns apenas o são com mais confiança. Sobre esta multidão que mora dentro de mim, quero falar de todas elas. Principalmente a que procura identidade porque como a busca do seu verdadeiro querer é falsa, como procuro aquilo que não está lá, eu não podia usar a linguagem comum – sobre a presença de palco. A linguagem enquanto edifício já sendo construído. Eu tinha que inventar um bocadinho esse caminho. E por isso a busca pela palavra nova, pela reinvenção. Mulheres e bruxas já foram sinônimas um dia…

10850164_1737865789772419_2492513754812384434_n

Ciclos vitais

Porque eu tenho que me curar? Você tem uma resposta para esse nosso argumento, pra esse abordar da questão? A natureza somente permite uma mudança muito lenta. Se alguém pergunta eu respondo uma bateria de questionários e duas tarefas informatizadas. Se abrir, por exemplo, para leituras intensivas, para fluxo de desejos, a água corre. Nem sempre estão nas principais manchetes dos jornais, muito menos cai das nuvens. As certezas nos escapam, os amores permanecem. Como se pode resistir a eles? Sem dúvida, aquela mulher não é normal. Uma alegria tola, resiste. Cedendo ou resistindo, ela não tinha saída. Porque o aperto aperta tanto que as lágrimas insistem em não cair, aglutinar as vontades em relação ao mundo ao redor. As escolhas seriam de excelência onírica naquele momento. Sonha com flocos de neve, não importa o destino, o pecado maior. Com medo de que nossa luz interior seja extinta ou a nossa escuridão interior exposta podemos esconder nossa verdadeira identidade um do outro. Aos sabores de como acontecem nos romances, novelas, ensaios, filmes. Acaba por sugerir um excesso de sensibilidade por qualquer coisa.

untitled

Kansuke Yamamoto

 

 

Breath

Não, nenhuma amarra, ele é admirável, o melhor entre nós… porque tudo é violento e luminoso aqui. Vieram os dois irmãos, sem querer complicações, querendo cruzar esses universos e tentar um equilíbrio mesmo que ilusório. Preciso sentir o ar, um deles disse, antes de sair. Não sei o que dá mais medo, se do que é recorrente ou do que é um absurdo. Acidentes são os pilares da evolução, talvez o amor seja algo que tenhamos inventado, mas é tão poderoso, observável, quase palpável, e ainda combina com café. A possibilidade remota de rever, assusta, comove.

Deveríamos acreditar nisso, vocês nos deixaram aqui pra morrer asfixiados, respirando não mais que dois minutos, porque assim é preciso, para que tu vivas para sempre. Estado de alma em alerta, em vazio, em espera.Queria um trato no corpo, uma alegria no ar, uma leveza nas unhas, e você me vem com doce?

No fundo, nos visíveis risíveis do cotidiano, no ínfimo absurdo, um dia a luz, um dia a compreensão.

025-john-batho-theredlist

John Batho, From series Swimmers, 1990