Um conhaque e uma cachaça

Agora é deixar de molho, posso entrar.

O som da torneira pingando, pardal longe, o perfume da casa e o silêncio do rádio. Coragem e os pés formigando presos no encosto de caixote. Por onde começar? Parcela de alvos, músculo e parede. Decide a parede, pedra maciça, olhar macio. Água fervendo no fogão, se atira no sofá e se permite uns minutos de letargia. Um gole de uma bebida forte agora cairia bem, levanta rapidamente, desliga o fogão (não haveria mais necessidade de ferver água) e abre o armário. Lá tinha um conhaque e uma cachaça. Escolhe pelo primeiro, serve-se dois dedos e volta para o sofá. Era o momento que se deixaria sonhar, desejar. Acho que vou escolher um bom vinil pra escutar. Ouvir um dos seus discos combinaria com a ocasião que ela mesma criou como presente para si. Billie Lady in Satin seria dramático demais. Tonny Bennet! Perfeito. O disco está novo, a melodia apaixonada a faz sorrir, e só então molha os lábios na bebida. Outro gole, dessa vez maior, desce queimando pela garganta, e lhe traz imediatamente um estado delicioso de relaxamento do corpo. Aquela história de vitória pessoal lhe trouxera pensamentos filosóficos sobre a vida e a morte. Somos todos acidente. Desabotoa o sutiã deixando seus peitos soltos, livrando-se do incômodo do fecho nas suas costas. Faz aquela manobra de tirá-lo pela manga. Pequenas gargalhadas. Agora sim, o segundo gole.

004-fanny-viguier-theredlist

Fanny Viguier

 

Anel no buraco da parede

Me dá de volta, ouvira ao longe, seguido do choro, palavras, o que a essa altura já havia esquecido tudo. Chegara a fazer uma lista com objetivos a serem cumpridos de bom grado. Infinitas tarefas.  Sem ele podia se deixar ser com maior tranquilidade. Fiquem vendo, displicência ao descer as escadas, andava descalço, falara coisas não muito dignas, ria alto. Ela disse que não conseguia entender o que ele disse. Ele disse que sim, que ela entendia. Ahn, isso entendia. Ela estava discutindo revoltada contra si mesma e estava convencida de que merecia trabalhos forçados num país distante. Era quase impossível remover essa sensação de quando está bebendo água quando fugiam no deserto para o oeste.

 

Novas forças.

anel

 

Você tem que se aquecer

É um  encantamento estar longe de onde há o perigo e da última coisa que você se lembra (uma briga). Lá vigora também aquilo que salva à auto compreensão de nossa própria condição como seres humanos assolados pela incerteza (olhos vendados). Arrisca transformar-se em pesadelo autodestrutivo – a ambiguidade é preferível à clareza e à simplicidade. O ônibus sacolejando sobre um talco vermelho, assemelhando a paisagem a filtros vintage que encontramos por aí –  alimentando tipos específicos de ilusão, uma memória que pertence a todos. Não restou sonho de liberdade possível, técnica que equaciona urgência com pressa, por si mesmo emergencial. A mudança resulta de uma instrumentalização da necessidade de uma postura mais racional que não se desloque da ação.

É lento. Nada parecido com o ativismo frenético e o falatório vazio a fim de consolidar e estender sua ideia original. Ideais ainda imaturos. Começa a notar que coisas insólitas estão acontecendo com ela e, pior, está fazendo coisas estranhas e irreconhecíveis. O movimento cessa, a poeira invade as janelas e tudo fica coberto com uma fina camada que seca a garganta e fere os lábios. Abre a bolsa e entrega uma moeda dobrada ao meio – enfrentar um livre fluxo do pensamento.

É claro que você terá de criar o vilão – lembrou.

030-william-klein-theredlist

William Klein, Serge Gainsbourg, (album cover of Love on the Beat)

 

 

 

 

Leve

Arrumou suas coisas na bolsa, pensando em como ter menos e ser mais simples.

Deve ser leve precisar de menos objetos, e, principalmente, menos objetos na bolsa. Faz um caminho para ter pouco, cada vez menos. Qualquer felicidade excessivamente buscada fora de nós é absolutamente temporária, pensa naquela frase que acabou de ler.

Ter muitas coisas devia ter um motivo. Só que não conseguia descobrir se era uma forma de romper o isolamento, de se sentir um pouco menos solitária. Ahn, mas entender o motivo ajudaria a ficar mais leve e a escolher alguns motivos que expliquem suas ações. Ignorar não estava adiantando. Mas agora que resolveu ela iria em cada detalhe de si mesma para isso. Ela sentiu um impulso maior no que diz aos seus assuntos pessoais. Se sentir leve. Como essa bolsa pesa, pensou.

Preciso de bolsas menores, preciso precisar menos. O acúmulo é cansativo, e eu já estou cheia de andar capengando.

 

 

.

ffff

Um caminho para o minimalismo

Costumava catar arruelas enferrujadas nas ruas, enchia os bolsos, a bolsa, a mochila. Andava olhando para o chão, sempre procurando. Sempre. Era lindo o encanto que as cores lhe causavam assim como a forma circular. A necessidade de acumular e juntar coisas e tê-las pela beleza que esses objetos lhe causavam, foi dando espaço a uma vontade do mínimo. Indo de uma ponta a outra, do acúmulo à limpidez. E é onde pouso, arrumando objetos, desfazendo de papéis, pesos, vidas, bolos, ciscos, já imaginando como serei quando minimal.

010_marie_amar_theredlist.png

Marie Amar