Um corpo que não se pode controlar

E tão destemido é nosso corpo quando tocado de uma forma afetiva e real,  se aspectando harmoniosamente alma e pele. Focando menos no que os separa um do outro e mais no beijo com mordida. E quanto mais cuidavam mais se apegavam. O que é isto? Onde é que vão se amar? E vocês tratem de encontrar, ou ela mesma tomará uma providência antes do fim da semana. Mas nem todos queriam assistir àquilo, na casa de Emanuela. Viver daquela forma parecia perfeito, e quando chegar, seja razoável. Ainda há muito a aprender.

jarina azul nova1

Um carinho sem sorrir

No período que vai de muito antes até hoje, seria pura precipitação se você pudesse terminar ouvindo  palavras de beleza. Zela por sua escassez e as coisas duras precisam do (bom) para  resgatarmos nosso brilho de alma. Transparência e suscetibilidade são maiores do que ela jamais conseguirá se distanciar das demais. São ensinamentos de que tudo é encantador e que as originais infecções não passam de agito memorial. Segue tocando sua vida ou a perder noites ou a perder dias. Não agir é a melhor ação. O valor da discrição e da imobilidade maior insinua uma ainda incerta brutalidade, e os anseios  que querem ser amplamente realizados neste vasto espectro jamais, nunquinha, serão importantes. Esse emaranhado de conversas em um mundo inteiro imensamente variado e complexo do ângulo tenso em que participa diariamente, a fez particularmente intensa e de suas obrigações fora aos poucos se desenganando. A ideia, partida do espetáculo Particularmente Vulnerável, que não é boba nem nada, das nossas mentes que voam longe…  que me é caro com todos os ingredientes (acordando cedo), mas não (cedo) o bastante. Volto para o bolero (só  faz lembrar de tudo o que não deveria ser lembrado).

burn3

Leve

Arrumou suas coisas na bolsa, pensando em como ter menos e ser mais simples.

Deve ser leve precisar de menos objetos, e, principalmente, menos objetos na bolsa. Faz um caminho para ter pouco, cada vez menos. Qualquer felicidade excessivamente buscada fora de nós é absolutamente temporária, pensa naquela frase que acabou de ler.

Ter muitas coisas devia ter um motivo. Só que não conseguia descobrir se era uma forma de romper o isolamento, de se sentir um pouco menos solitária. Ahn, mas entender o motivo ajudaria a ficar mais leve e a escolher alguns motivos que expliquem suas ações. Ignorar não estava adiantando. Mas agora que resolveu ela iria em cada detalhe de si mesma para isso. Ela sentiu um impulso maior no que diz aos seus assuntos pessoais. Se sentir leve. Como essa bolsa pesa, pensou.

Preciso de bolsas menores, preciso precisar menos. O acúmulo é cansativo, e eu já estou cheia de andar capengando.

 

 

.

ffff