Olho no olho

O tempo é muitas vezes essencial e geralmente vale a pena esperar um pouco para ver como se pode lidar com a liberdade e a nudez do próprio corpo. As indiferenças flutuam em um oceano de vontades (a ver). Você lidou com você mesmo e as indiferenças dos aparelhamentos aumenta o dilema que se pode enfrentar nessa vida de ‘meudeus’. Café é muitas vezes a solução, o estar junto também. Em volta da mesa, sem saber como agir e o que dizer, dá pequenas mordidas como se alegrias fossem. 

O esgotamento desmorona possibilidades.

Ali perto do portão do jardim, perto de pimenteiras, orquídeas, couves, manjericão e hortelãs, seu medo de que os sentidos todos estejam congelados e infelizes escorre pelos poros. Pés na terra e água nos olhos, o impermeável, blindado, entupido corpo está fechado e quer queimar, queimar agora, respirar fogo. Apenas fogo. Que me livre de todo o mal que eu fiz para mim. Em segredo, canto para ninguém (desafinada que sou) e entrego-me às armas tão abertas, armas que conheço tão bem.

Se conseguisse manter o juízo sobre si e se recusasse a ter os membros engolidos pela brisa que arrepia as costas, talvez conseguisse alguma sobrevida. As pálpebras não estão cerradas, o pescoço está rígido, as mãos, fechadas, o ouvido entupido. Neblina de corpos, neblina nos encontros. Quando conseguir sair da outra extremidade dessa névoa e olhar pra trás, com aquelas silhuetas e esboços que já não fazem mais sentido, poderemos quiçá experimentar um bom bocado de soltura e remelexos. 

A resistência pode ser a chave para lidar agora, não tem certeza. Talvez o silenciar-se um pouco (o que exige um esforço sobre-humano de si). Parece precisar se mudar para um ambiente quase estéril, quente e seco. Prefere que a repetição se anule que provoque outras realidades a serem desvendadas. 

Abre mão de algumas certezas, se agarra a outras. Bebe vinho e, mesmo seca, consegue se encharcar.

Sem título-1.jpg

 

Oi. Sou eu.

Ouvi ao longe, e aí a voz disse novamente… oi. Uma coisa se acendeu em mim, para mim, justo por isso – sussurro de quem sabe que é esperado. Demorará um bom tempo até que se acostume com a luz muito mais clara e mais abrangente do que a que pode ser adquirida em outras lojas. Até que a gente esqueça o som de determinadas vozes interiores… É impressionante como o filme (remake) ainda consegue surpreender. Já ouvira aquilo em outras circunstâncias – sempre quis falar. Esse entendimento começa com a própria palavra: coisas que mesmo esbarrando em tudo não deixam de ser notáveis. Peguei a luminária, a lâmpada sobressalente, cartões, panfletos e saí. Não deixa de ser triste o lamento da mercantilização da sabedoria. Uma xícara. (Como também não é recomendada que a nossa realidade seja construída em algo que tentamos subjugar). Nosso lado mais distinto impede que se faça graça do óbvio. Num momento isso me encantou, porque suas asas têm brilho. É para encerrar essa conversa, enquanto os danos não são tão grandes assim, manda a etiqueta. Ser o que se deseja, a partir de uma leitura casual, fundamental para manter as emoções equilibradas, e apreciar com gosto a euforia de estar no todo que esse encontro proporciona. As noites prometem, sorrio, enquanto sinto que as palavras não têm vida própria. Só à noite.

 

 

p11937-620x350

 

Voltou para casa sozinha

Poderiam deixar você nua em pêlo no meio da rua que não iria adiantar. A revolução de enterrar ou incinerar experiências, principalmente as não completas, permanecerá flutuando na íntima e desenvolvida vida. Pelos risos afora, com uma frequência bastante assídua, a flutuação seria o antídoto necessário para que ninguém estacionasse tanto em seus hábitos e costumes quanto ela. E que de um moralista discreto se transforme numa alma boa. O controle que se impõe ao treinar a aterrissagem trata-se precisamente de uma mente focada, calma. Ela faz tudo de si pra si e, escondida na sua não tão frágil sensatez, a pretensa liberdade aviva com um sistema mais afinado. A realidade e suas tragédias podem ter escapado às suas tentativas de controle e manejo exigindo um movimento brusco para manter o olhar altivo, ainda que se curve em demasia na presença de lembranças já anêmicas. 

Deu uma volta nos calcanhares e seguiu.

012-vivian-maier-theredlist

 

Vivian Maier

 

O corpo boceja

Deixou as memórias no corpo – apoderou-se astuciosa da sua (c)alma. Aquela noite me tornou, retornou-me. Eu recobrava a vida, para logo perdê-la, desenrolava-se em outra que a atingiu, a adoeceu. Alimentando, assim como eles, de tradições e poderes apodrecidos.  O desperdício de seus tecidos era o que aflorava ao longo do sono, tornando tudo absurdo diante da biologia que rege. Permite e reforça a exigência das curvas sempre exatas e os afagos na cabeça tinham deixado seus sentidos mais agudos e precisos. E conversas baixas depois de ter o corpo perfurado em diversos pontos para a retirada do tumor. Comum, não limpo.

 

Não será um traje que irá impedir, de tão complexo que se desenha o panorama. Enquanto teu corpo boceja, vamos colorir?

 

 

wallpaper-minimalist19

Deixemos o simples

Gradualmente entrar em sua fase a fez praticamente intragável. Alguma coisa no seu coração. Na primeira noite eles se aproximam confiantes com um passado sólido. Por pressão, o homem foi encontrado morto e o rigor sobre qualquer atitude suspeita inibiu os carinhos. Um lugar é e se reconstrói – é o que as pessoas projetam nele. Tratou do abandono sob severas condições, riscos calculados e forte planejamento. É um lugar em que está se esforçando em entender, aprecia a estabilidade e a plenitude  tentando perceber qual seu próximo futuro. Já que tem oscilado muito ainda e se fechado profundamente no seu particular, não esquece de que é filho de uma pessoa muito tranquila. Ele usa o mesmo ônibus para ir ao trabalho. Ela alheia ao uso de outra pessoa, apresenta movimentos musculares involuntários, dos bons, e em muitas coisas pode ainda estar se sentindo. Fraca?  Parece ter uma predileção pelo doce e saboroso. A vida de uma pessoa que está a viver uma contradição total… tem que ser difícil.

Você é um complexo minimalista que sempre tem coisas importantes a fazer. Que está sempre fazendo as coisas funcionarem.  É ótimo por tratar-se de coisas incríveis. 

12

Entrelaçamento

Acima de tudo era uma série de breves cartas que procurariam explicar como um mundo é mais forte e o que o torna assim. Aqueles diferentes de nós (sempre) a sair de nossos preconceitos e limites ensinam cuidar de si e de sua pele.  As imagens não registradas mostram  o quanto alguns viajaram para o passado dispostos a refazer o retrato com frente e verso. Narrativa fílmica que se segue nunca foi e nunca será mais do que um maravilhamento da espera, e da paciência, da atenção à multiplicidade das sensações, da consciência da mutabilidade do universo, da reflexão, da busca, da persistência. Brindemos então à pura alegria, à absoluta liberdade. E no entanto é plural e como poucos chegou às vistas revestido de lenda viva. E há sempre as estrofes dedicadas ao “soninho” e ao “carinho” – urgência incomum. Gastara apenas vinte e três segundos. Carregou-se rapidamente em alguns símbolos momento a fim de manter as emoções equilibradas (rs). Puro magnetismo.

 

1212

 

 

Um carinho sem sorrir

No período que vai de muito antes até hoje, seria pura precipitação se você pudesse terminar ouvindo  palavras de beleza. Zela por sua escassez e as coisas duras precisam do (bom) para  resgatarmos nosso brilho de alma. Transparência e suscetibilidade são maiores do que ela jamais conseguirá se distanciar das demais. São ensinamentos de que tudo é encantador e que as originais infecções não passam de agito memorial. Segue tocando sua vida ou a perder noites ou a perder dias. Não agir é a melhor ação. O valor da discrição e da imobilidade maior insinua uma ainda incerta brutalidade, e os anseios  que querem ser amplamente realizados neste vasto espectro jamais, nunquinha, serão importantes. Esse emaranhado de conversas em um mundo inteiro imensamente variado e complexo do ângulo tenso em que participa diariamente, a fez particularmente intensa e de suas obrigações fora aos poucos se desenganando. A ideia, partida do espetáculo Particularmente Vulnerável, que não é boba nem nada, das nossas mentes que voam longe…  que me é caro com todos os ingredientes (acordando cedo), mas não (cedo) o bastante. Volto para o bolero (só  faz lembrar de tudo o que não deveria ser lembrado).

burn3

O vento assobiava

A causa desses enganos tem a ver com palavras, e o eixo que está fora do prumo se torna vida – suavemente desse desequilíbrio está fluindo uma pálida luz. Como um instrumento para examinarmos expressões e olhares para tudo com abertura significam a mesma coisa e desde ponto de vista dualista é o momento da mais alta satisfação. Essa matéria está dentro da gota de orvalho e como este momento talvez possa ser mais um mal entendido de outras tantas coisas. Ninguém sabe o que significa o que fazemos conosco –  próximas e distantes. Disse durante os primeiros encontros dessa amorosidade mútua com palavras próximas a navalhas cegas. Palavras agidas são um lugar livre para todas.

Podemos pensar sobre este saquinho de pele realmente, na imensidão, determinando não apenas este movimento como resultado da percepção mais ácidas das coisas, mas também a serem preferências de violência em nós. Então ao mesmo tempo teremos conhecimento intelectual. O olhar profundamente domina.

E assobia, ou assovia. Tanto faz.

 

023-luigi-ghirri-theredlist

Luigi Ghirri, Lucerna, 1973

 

A verdade, mesmo, recebi em forma de tijolada

Outra maneira fazendo com que você entenda que o contratempo, o contratempo, o tempo todo solicitará de você uma autoridade. Apresentar e contar uma história de forma enxuta, condensada, capaz até de, preguiçosamente, convidar o cérebro a praticar sentimento. Ele topou contar tudo, – qual a verdadeira prisão em que se encontram? Saiu de lá calado, me deixou em casa e nunca mais tocou no assunto. Não é assim que a gente não tenha alternativa, haveria de ter precisado de muito para que um nome fosse apenas reduzido a uma palavra naquele exato momento mesmo. Gozei pela primeira vez em minha vida enquanto ainda nos beijávamos.

 

 

 

 

Fotor052313197