Sobre amores

Talvez dez segundos se passaram antes que eu observe os dois irmãos por trás da cabine, segurando o riso e sorrisos como se eles guardassem um grande mistério. Me viram e rapidamente desviaram o olhar celebrando a ciência e seus segredos guardados a quatro mãos. 

A Lua intensificando sentimentos, pensamentos e a intuição (alegria, abundância e amor). Murchei com a mansidão do dia. Ao lado uma velhinha ganhou uma flor para colocar no cabelo. Ela ria, pensava bobagens, certamente. Nós usamos as histórias de nossas vidas – às vezes até mais profundamente, através da membrana mais interna, física mesmo, que te separa do mundo.

Faziam anos que não o via, a gente se gosta né, o carinho transborda. Sentem-se como sempre. Você está linda! Sempre assim que começavam, aquela prosa solta, boa. Mas eu envelheci. Mas isso não é ruim, é a pele que é diferente na forma como estamos com nossos próprios ossos. É bom. Olho para ele e o admiro, sempre o admirei. Uma fortaleza. 

Você é a aquela pessoa que se pode falar sobre a sombra de uma nuvem, sobre a canção de um pensamento, sobre arte, sobre as micropolíticas nossas de todo dia. Mas conversamos mesmo sobre a pele – esticada, sensível, enlouquecida. Os amores estão longe, uma pena, só mais uns dias. E a Madame nos calou. Estávamos diferentes, estávamos bem. E bonitos até não poder mais. 

IMG_8283 b.JPG

Mulher urso

Larga, deixou a bagagem do lado, e chegou. Dramática. Esticou as costas como que para parecer mais forte e jovem. Estava faminta, comia tudo, ressonava e existia. Eu cumpro minhas promessas, já foi logo dizendo. Sim, com oito anos de atraso. Agora estou de férias, férias pra vida toda.  No final eram escolhas. Estou muito triste, estou velha. Velha e larga. Estado bruto, selvagem. Independente. A pequena perguntou: está com vertigem, falta de ar, febres? Não te dá tonturas? Vocês têm um jeito estranho de estar com a vida. Olhou pra criança e resmungou, o que deu nessa pra ter ares de estragada? Guardou o senso na gaveta? Porque tu não vai tricotar? Endireitar essas ideias. Quero dormir. Até apagar meu passado, até a manhã seguinte. Com uma voz narrativa singular, deu de ombros, recitou uma ladainha e se retirou.

Ela havia fugido dali faziam muitos anos. Pegou uma foto, umas peças de roupas e foi. Naquela altura a vida encolheu-se. A volta. Não te fez diferença, ela acalmava os lugares.

 

 

004-alexis-vasilikos-theredlist.png

Alexis Vasilikos, From All In

Precisamos dormir

No sentido de lhe conferir lucidezum ornamento para uma vida confortável, para trabalhar e utilizar o tempo (fonte dos bons momentos), decide. Disse que nunca lhe deixaria: uma mistura de surpresa e desaprovação…  Não parece ser daquelas afirmações que levam a um futuro brilhante. Já que não podem ter uma vida tranquila aqui, conversas ficaram mais profundas e que não se torne a felicidade um jargão inútil. Um período levemente crítico que colidiu com outro e o sucesso está fadado a apenas algumas palavras, algumas músicas. Um sentimento de empatia maior em relação aos outros pode ser propício e salvador, sem uma ação que gere preconceitos. Alguns hábitos saudáveis hão de ser cultivados. O modo como vivem os faz foras-da-lei.

Há algo muito pessoal sobre demonstrar afeto.

012-adam-amengual-theredlist

Adam Amengual, Homies (LA Gang members)

 

Que seja ensinar felicidade

Os requisitos básicos para dominar toda a teoria, não consigo. Hoje, isso não existe mais de se entender  e se sentir à vontade, julgando e buscando autonomia como se ela realmente existisse num outro canto. Uma ação que dê visibilidade a esse conceito tão arcaico (sobre diversos eventos)  tão perverso quanto resumir.

Não há qualquer benefício de aprendizado, emoções ou comportamento que venha do simples agir corretamente.  Diversas vezes o ser da experiência e o sentido humano da vida tendem a ser mais flexíveis apesar das divergências sutis (pelas pessoas comuns). E tem quase sido esquecidos o alicerce e coração e do todo que você possa melhorar em alguns dos aspectos. O inconcebível de ser particular. Em toda a sua profundidade.

Uma amiga fala de sinais. Nada mais sábio nesse momento – árduo manter os trabalhos e aprender a ser mais flexíveis. O sentido fundamental é não limitar a vastidão que é legítima como qualquer outra atividade do espírito.

 

Acredito, embora ainda não tocando minha carne.

 

Fotor0909141926

 

 

 

 

O vento assobiava

A causa desses enganos tem a ver com palavras, e o eixo que está fora do prumo se torna vida – suavemente desse desequilíbrio está fluindo uma pálida luz. Como um instrumento para examinarmos expressões e olhares para tudo com abertura significam a mesma coisa e desde ponto de vista dualista é o momento da mais alta satisfação. Essa matéria está dentro da gota de orvalho e como este momento talvez possa ser mais um mal entendido de outras tantas coisas. Ninguém sabe o que significa o que fazemos conosco –  próximas e distantes. Disse durante os primeiros encontros dessa amorosidade mútua com palavras próximas a navalhas cegas. Palavras agidas são um lugar livre para todas.

Podemos pensar sobre este saquinho de pele realmente, na imensidão, determinando não apenas este movimento como resultado da percepção mais ácidas das coisas, mas também a serem preferências de violência em nós. Então ao mesmo tempo teremos conhecimento intelectual. O olhar profundamente domina.

E assobia, ou assovia. Tanto faz.

 

023-luigi-ghirri-theredlist

Luigi Ghirri, Lucerna, 1973

 

Não toquem em nada

Na perfeição que encontramos na reparação e no auto-perdão, na renúncia do nosso orgulho,  talvez possamos existir e ampliar a experiência do afeto pelo outro… eliminar a culpa e a angústia que sentimos quando ao agirmos fora do padrão, amamos. Alucina. A moral  de uma atitude nossa que de um afeto tão grande (uma vontade boba de mexer nos seus cabelos) gerado assim que sentia e ouvia perfeitamente o ruído do carinho nas suas costas. Naquele instante (não) em sua mente (paira no ar) sente que deve deixá-la ir (a boa do afeto compartilhado) da mesma forma que vieram, sem tocá-la, compará-la ou julgá-la.

Conseguimos renunciar às desarmonias e junto e dentro compartilhar uma porção de coisas que produzimos em nós mesmos, pela nossa vida ou morte e iluminação e desilusões e incapacidades e desentendimentos. Pode ocorrer por deslocamento (de sentimentos e emoções) ou por projeção (de desejos). Compartilhar muito. E teve vinho e cigarrinho.

Unir-se às pessoas certas.

007_jan-groover_theredlist

Jan Groover

 

A sobrevivência não é uma habilidade acadêmica

Quem viu, as granadas que estraçalharam dentro do peito, viu que ninguém notou o papel da discordância dentro das vidas sem examinar nossas muitas diferenças.

O que isto mostra sobre a visão é triste e não têm nada a dizer sobre existencialismo.

Pode lembrar amargamente das palavras que lhe foram roubadas ainda dentro da boca.

Elas ganham um significado que nunca tiveram.  Apenas os perímetros mais estreitos de mudança são possíveis e admissíveis. Promover a mera tolerância de diferença, procurar novos meios de ser no mundo pode gerar a coragem e o sustento para agir onde não existem alvarás.

Mas ela não era daquele jeito, restam os  conflitos na esfera do individual. Até ficar de um jeito que não era, não era assim. É do ser humano, mesmo não fazendo sentido. As mortes vêm e vão, que a luz mais bonita do ano é a do outono, repete para si como uma ladainha enquanto foi lá num armário, trouxe uma caixa de sapato cheias de palavras.

Todas continuarão guardadas – sobre o erótico, sobre cultura, feminismo, silêncio. O duro é não valer o que pensava. Exaspera em pensar que as condições que levaram ao desaparecimento por certo levarão outras ao mesmo fim.

.

Fotor0605151239

Foi isso que entendi

Porque cultivam a preguiça existencial. Sai de nariz em pé, mas de alma cabisbaixa, a memória não diz respeito apenas ao passado. Ela é presente e é futuro. Que sonhou cheia das certezas e transbordando de paixões, e não queria morrer. Ó, sei que ela acabou. E não quero ficar batendo de frente, impondo minhas idéias e muito menos acatar idéias que não estão de acordo com o que penso – disse. E saiu batendo de costas, e fazendo mais buracos inflexíveis. Sair e ficar não impõem nada sozinhos. Os movimentos, as palavras e as personalidades reveladas, sim. Talvez era exatamente isso o que queria. Justifica seu texto minucioso como uma ode à sinceridade. Desconfiaria ela que age o contrário? E contem comigo para o que precisar – disse.

 

 

 

 

.

Fotor0603122017