Sem insinuar

Será preciso bater mais do que uma vez na mesma porta até que ela se abra, o momento pede paciência e respirações profundas. A cena é de terror, olheiras, cansaço, tristeza. Movimentos rápidos, tensos, dizem por si só o incômodo daquela visita e dos assuntos que bailam no ar. A rapidez é importante. Agilidade, vamos acabar logo com isso?

E o aspecto mais relevante é que a abertura não tem paredes para se esconder. O que fazemos com os vínculos que criamos, tecemos, é triste. Quando eles não são mais necessários deslocamos e guardamos o espaço no guarda-roupa para outros vestidos e conexões.  Aceitar o deslocamento e tentar não se sentir tolo. Eis o desafio – que não seja a única a pensar assim, ainda que seja difícil admitir, que tudo está sedimentado e já foi para o ralo. O que a imprensa faz chancela a mentira sedimentada e a troca de olhares se torna dolorosa.

Geralmente o lance que se faz intuitivamente é o melhor. Pena que nos perdemos  analisando um monte de possibilidades.

Sentir desamor …  aí começou uma gritaria danada. Mas tudo em silêncio.

 

 

Fotor070312018

2 comentários em “Sem insinuar”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s