Não fazer absolutamente nada

Eu não vou mudar de assunto, mas a compreensão de tudo que está envolvido nos faz perder o fôlego, e possivelmente, suar frio.

O tanto do que está à nossa volta não acontecerá de forma automática, impera a vontade de tomar a iniciativa de enxergar além de alguns conceitos e (auto)convencimentos. As coisas têm uma dimensão muito maior do que parecem. (Em poucos segundos eu serei capaz de ler seus pensamentos!).

Presente nas situações de afeto, a dor facilita se colocar no dualismo do mundo perfeito. Dentro da cabeça as contrações, a falta de fome e sono, euforia, taquicardia, suores e umidades, centros do prazer estimulados, vontade ardente de conexão,  forte atração, admiração, e a vontade de liberar sentimentos ruins seriam formas de não permitir que eles se acumulassem dentro de nós. Só que esse não-acúmulo acontecerá de qualquer jeito.

Não fazer absolutamente nada é melhor do que tentar algum processo catártico, usando o bom e velho respira, respira. Encontrar o meio termo assertivo entre a passividade e a agressividade. A sabedoria roseana, que propunha caminho do meio, o terceiro, a terceira margem, não estava tão longe da verdade afinal. Você e o outro, você e o mundo, esquerda-direita, em cima-embaixo, bom-mau, grande-pequeno, rápido-lento… na realidade, o que está além das palavras ou das ideias é que interessam.

Subterrâneo. 

2

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s