Azeitonas e besouros

Gostaria de ser coesa, calma e frívola. Nunca esqueço daquele vapor prolongado e suave dos meus 14 anos. Sonhava adeuses e sombras, dragões e gigantes. Cá estamos nós, nesse lugar, largamos as tralhas, as bolsas e as pedras. Nus a olhar grãos. Quando a comunicação deixa de existir, e as pedras fazem parte do alfabetário, o mar engole o sol e nem a lua traz a palavra novamente. Duvidam, não acreditam, retrucam. Aí eles querem explicações mais pro grotesco que pro alívio. ‘Até quando vais guardar o segredinho?’ Perguntam. Numa ilusão obstinada e persistente tentam dar algo de si mesmos, tentam; devem gostar de azeitonas e besouros. Saem dali, se separam na esquina, leve aceno, sorriso amarelo cheio de lua, pé ante pé. Certezas do imaginário.

 

 

 

 

24267462

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s