Havia a necessidade de se colocar os medos para descansar.

O café não estava quente o suficiente. Segura a caneca com as duas mãos pegando emprestado um pouco de carinho. Aqui é o ponto onde se pode cair pela segunda vez, mesmo com os avisos de sempre, as coisas que já se sabe desde sempre. Em uma semana sentimos que tudo vai tomando seu rumo e o que mais se deseja é força, força de vontade. Pode ser que todos os produtos químicos que se acumulam no corpo tragam essa sensação de limpidez, sisudez. Pois que se sente como na mais longa pausa de inverno. É de apenas três dias, mas é muito mais do que realmente se pode suportar, não são essas pessoas que desmoronam afinal. Estão ali, bem onde matam a memória e a melodia.

E se eu tomar bastante tempo e amor não errarei você.

Então muito daqui é a parte onde peco por pensar que não devíamos tirar algum tempo (ansiando para que a solidão nos faça alguma coisa boa), pois que logo se descobre quão não se pode ser o que se é quando só, nesta casa mal assombrada. Alguns pensamentos se sentam bem onde matam os cheiros e se tomar bastante cuidado não se errará tanto e sempre.  Abrindo-se a formas não-lineares de saber, a pessoa que instantaneamente aceitou o desafio, já sente forte harmonia e equilíbrio na sua vida… existirá a possibilidade de permanência. Que se destinará a trazer-nos p(r)az(er) de espírito.

Qualquer coisa, se tiver tempo suficiente.

004-ben-zank-photography-the-red-list
Ben Zank

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s