Sem saber a partir de onde

Sigo, mas o faço pela porta dos fundos. É só um palpite, dos bons, que pode ou não estar certo. Será relevante ainda que de leve, de manso. Nessa grande e deliciosa sincronicidade (almocei na mesma hora que você – só que daqui), a não querência não é só inútil como forma imperiosa – porque a coisa é visível a olho nu.  Eu te entendo e te admiro.  Numa linguagem em que a minha razão não compreende. Depois diga-me como sentes Tu, é essencial que seja assim. Prova bonita da bondade de alguém, mas tenho certeza que pode nos ajudar a nos conduzirmos ao melhor em nós. Dizia-se que era pelo caminho das montanhas voadoras (dava-me medo de pensar que a alma poderia se esvair só no respirar dos vulcões) e em geral as dificuldades de ordem prática adivinhavam que ter conversas muito profundas e partilhar algumas experiências de vida era importante. Colhemos umas flores pelas raízes e algumas ervas daninhas bonitas.

As veias saltadas no pescoço, ainda era só o começo. A revolução era interna, percebia-se.

Perdeu-se do juízo.

526x297-L44

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s