Solidão é relativamente fácil, raiva, medo, são emoções fáceis de evocar imediatamente com uma imagem, uma lembrança.

Eu acho que vergonha é uma emoção muito difícil pois que, logo depois que você cai em si,  sentirá que tudo o que aconteceu com você e depois tudo lhe pertence: os bons e os maus, o êxtase, o remorso e tristeza, as pessoas e os lugares e como estava o tempo. E principalmente, a tormenta do que deveria ter feito e não fez.

É um continuum. Não vejo isso como pensar.

“Agora tenho que fazer algo novo.” De vez em quando, é claro, uma linha de investigação chega ao fim, e então você está em um período de pouso enquanto você está superando o que tem feito até o momento. A gente se faz, a gente se faz pelo menos uma parte. A gente pode se fazer inteiro?

Se a gente for ser sincero diante do que a realidade nos apresenta, o que seríamos? A humanidade alcançou um desenvolvimento tão grande – como os dispositivos móveis dignos de cenários e previsões de star treck que imaginávamos à nossa frente, logo ali ao nosso alcance. Mas se pensarmos nos últimos anos, a diferença entre ricos e pobres se dissipou? Na verdade não.

Então, eu queria ser honesta com esse medo e tristeza e realmente me entregar a isso. É uma exaustão para fazer com que todas as situações pareçam simples e imediatas, para que a gente, eu, todo mundo, possa encarar emocionalmente. 

Eu penso assim: um dos seus momentos mais férteis é quando de fato, atavicamente,  você está tecnicamente fora de serviço, fora de controle, fora do juízo, fora do normal.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s